top of page
curva_laranja.png
2.png
Fala, Heliópolis!

No último Fala, Heliópolis do ano, Guilherme Souza, integrante do Coral Jovem Heliópolis, conta como se sente fazendo parte do Instituto Baccarelli. O coralista já fez aulas de fagote, mas percebeu desde cedo que sua paixão era o canto coral. Vem ler mais sobre essa trajetória que, segundo ele, transformou sua vida.

“Lembro até hoje das minhas duas primeiras apresentações com o Instituto Baccarelli. Ambas com Roger Waters, apenas. As proporções desses shows foram absurdas e já me faziam pensar no quão extensa e maravilhosa seria minha trajetória nesse lugar. Já tentei tocar fagote em meados de 2013, mas logo percebi que minha praia era mesmo o canto coral. Desde cedo fui incentivado pela minha família – meu irmão Gustavo foi contrabaixista do Instituto – e também pela professora Silmara Drezza, que é coordenadora de musicalização infantil e canto coral da instituição. Com isso, abandonei os estudos de fagote no final do mesmo ano e foquei apenas no canto coral.

curva_laranja.png

Em 2014, precisei sair do Baccarelli por alguns motivos pessoais, mas voltei no ano seguinte (não consegui ficar longe) a convite da professora Regina, para entrar no Coral Jovem Heliópolis. Eu tinha um carinho muito grande por ela, que foi minha primeira professora quando eu entrei no Baccarelli, mas acabou que ela saiu da posição de regente dentro de alguns meses, o que me frustrou um pouco.

Mas, ainda em 2014, fizemos um lindo espetáculo, com a professora Silmara Drezza regendo como suplente, e logo em seguida começamos a ensaiar com a professora Maíra Ferreira, que se tornou regente do grupo até agosto desse ano (somando sete longos anos) – e uma grande amiga para mim.

Dentro desses sete anos, vivi a melhor experiência da minha vida: em 2018, na turnê com Andrea Bocelli, quando viajamos de avião, nos hospedamos em bons hotéis e aproveitamos ao máximo. Foi mágico! 

Durante a pandemia de covid-19, o Instituto Baccarelli também ajudou muito no meu cotidiano e no de muita gente. O apoio com vales-alimentação, cestas básicas, entre outras coisas, foi essencial. Por isso – e muitas outras coisas –, garanto que essa instituição é minha segunda casa e mudou minha vida, me deu amigos que estão comigo até hoje, e nos dias atuais – ainda no coral – continua me fazendo feliz.”

header_nov2.png
Baccanews
Dezembro
2022
Fala Heliópolis
Âncora 2
Estreias e despedidas

Sob o comando de Isaac Karabtchevsky e Paulo Galvão, Orquestra Sinfônica Heliópolis une juventude e experiência em dois concertos em novembro

Mais dois concertos para a conta! Novembro foi um mês de casas cheias para a Orquestra Sinfônica Heliópolis! O principal grupo artístico do Instituto Baccarelli fez duas apresentações em importantes palcos das cidades, e nas duas ocasiões o público compareceu em peso. Como é bom voltar a sentir o carinho da plateia!

E tudo começou em pleno feriado! No dia 15 de novembro, logo pela manhã, a Orquestra Sinfônica Heliópolis se apresentou no Masp, sob o comando do maestro Paulo Galvão. Com apenas 29 anos, Galvão é regente assistente da Orquestra, e fez no Masp sua estreia à frente do grupo. E não foi só isso! No repertório, mais uma novidade: além da abertura As Hébridas e da Sinfonia nº 3, Escocesa, de Felix Mendelssohn, foi apresentada também a Fantasia para Orquestra nº 1, de autoria do próprio maestro, em estreia mundial. Ex-aluno do Instituto Baccarelli, Galvão já integrou a Orquestra Sinfônica Heliópolis, e sua Fantasia é apenas sua segunda composição – a primeira para orquestra. E o público que encheu o Auditório Masp estava na expectativa para conhecer a nova obra. Após interpretações requintadas das obras de Mendelssohn – ambas compostas na juventude do autor alemão –, foi a vez da Fantasia de Paulo Galvão. Algo sombrio e oscilante a princípio, a peça causou impacto no público presente por sua força e expressividade. Composta em uma tacada só, ao longo de uma noite de 2020, a peça reflete o período de incertezas do auge da pandemia – com fechamentos e reaberturas, em um momento que não havia no horizonte vacinas nem um futuro livre do vírus. Felizmente, dois anos depois, a peça pôde ser apresentada tranquilamente e com casa cheia. “Bravo!”, exclamou uma voz de mulher assim que a Orquestra Sinfônica Heliópolis encerrou a apresentação, puxando uma forte ovação por parte do público, que se levantou para aplaudir a Orquestra e o maestro. Galvão ainda fez questão de apresentar os instrumentistas e naipes com destaque na obra – não eram poucos e aplausos não faltaram. Bravo, Orquestra Sinfônica Heliópolis! Bravo, maestro Paulo Galvão!
 
E falando em maestro, no dia 27 de novembro foi a vez do grande Isaac Karabtchevsky reger seu último concerto da temporada. Em pleno domingo de Copa do Mundo, a Orquestra Sinfônica Heliópolis subiu ao palco do Teatro B32 logo após o apito final do empate entre Espanha e Alemanha, às 18h. Se o jogo foi sem muitas emoções, o mesmo não se pode dizer do concerto – foi um verdadeiro espetáculo. O maestro Karabtchevsky mostrou porque é um dos grandes nomes da música brasileira, e não apenas com a batuta na mão. Antes do início do repertório, convidou o jovem compositor André Mehmari (1977) ao palco. Certamente um dos nomes em ascensão da música nacional, Mehmari é o autor da peça que abriu o programa, a Abertura em Forma de Árvore. Composta em 2015, a obra foi uma encomenda do próprio maestro Karabtchevsky, em nome da Orquestra Petrobras Sinfônica, para comemorar os 450 anos da cidade do Rio de Janeiro. Não é todo dia que temos o próprio compositor em pleno palco comentando a obra que será ouvida em seguida – com certeza uma experiência especial para o público que encheu o Teatro B32. Mehmari explicou que se inspirou nas matas brasileiras, especialmente na relação de toda vida orgânica com a sequência de Fibonacci, uma espécie de regra de ouro da matemática descoberta pelo italiano Leonardo Fibonacci, em 1202. Como um número da vida, a sequência pode ser identificada no crescimento de populações, na curvatura da concha do caracol e também, é claro, no desenvolvimento das árvores. E foi uma interpretação de primeira da Orquestra Sinfônica Heliópolis, que causou uma cascata de aplausos na plateia do teatro, cobrindo Orquestra, maestro e compositor de palmas.
 
Na sequência do repertório, foi a vez da Sinfonia nº 4, Trágica, de Franz Schubert (1797-1828). Novamente a Orquestra Sinfônica Heliópolis, sob o comando de Isaac Karabtchevsky, realizou uma interpretação memorável – e chamou a atenção a capacidade da Orquestra de alternar entre uma escrita musical contemporânea, como no caso da abertura de Mehmari, para uma das obras máximas do Romantismo vienense, com a sinfonia de Schubert. Após o impactante finale, o público não queria arredar o pé do teatro, e chamou o maestro de volta ao palco. Feliz com a recepção do público e visivelmente tocado pela música, o maestro Karabtchevsky fez questão de contar um pouco sobre sua relação com Schubert, relembrando os 8 anos em que trabalhou em Viena, quando passava cotidianamente em frente à casa em que morou compositor. Segundo o maestro, um arrepio percorria seu corpo sempre que se lembrava que ali viveu um dos gênios da música ocidental – e toda vez que esse arrepio lhe tocava, o quarto movimento da Sinfonia Trágica lhe vinha à mente. “É uma joia da arquitetura musical, uma joia do sentimento!” Foi então a vez de um bis à moda antiga, retomando um dos movimentos da obra recém-apresentada. Dessa vez, o público do Teatro B32 pôde acompanhar em minúcias o quarto movimento da Trágica, valendo-se do depoimento do maestro para uma maior fruição da obra. Em seu último compromisso com a Orquestra Sinfônica Heliópolis, o maestro Isaac Karabtchevsky entregou tudo e mais um pouco, deixando todos já na expectativa da temporada 2023! E se você não conseguiu assistir, não fique triste: está tudo no nosso canal do YouTube. Acesse, inscreva-se e aproveite!
 
Mas ainda tem mais este ano: nos dias 8 e 9 de dezembro, a Orquestra Sinfônica Heliópolis se apresenta com o maestro Edilson Ventureli e a cantora Fabiana Cozza no Sesc Bom Retiro; e no dia 10, fechando pra valer a temporada 2022, é a vez do Coral Heliópolis subir ao palco do Teatro B32 para um concerto especial de fim de ano!

 

Acesse nossa agenda e fique por dentro de tudo que rola nos grupos artísticos do Instituto Baccarelli!

Orquestra Sinfônica Heliópolis participa de segunda edição do projeto Unilever Sons do Brasil com grandes nomes da música brasileira

Em novembro, a Orquestra Sinfônica Heliópolis teve a honra de participar de mais uma edição do projeto Unilever Sons do Brasil. Sob regência do maestro Edilson Ventureli, o grupo artístico teve a estreia da edição em Salvador, no dia 13, ao lado das cantoras baianas Margareth Menezes e Majur, e o segundo concerto ao lado da banda Jota Quest em Pouso Alegre, dia 27. As apresentações foram gratuitas e em espaços públicos das cidades.


O projeto vem para quebrar barreiras musicais e culturais. As apresentações democratizam o acesso à cultura e, de acordo com Edilson Ventureli, permitem que todos conheçam e se aproximem de um espaço que é fortemente estereotipado como exclusivo e elitista. “Assim como acreditamos no Instituto Baccarelli, música é para todos e é uma ferramenta potente de transformação social. Nós acreditamos que a música, a cultura, a arte, são essenciais e precisam estar disponíveis para toda a população, sem restrições. Então, acredito que aproximar a população de uma orquestra, formada em uma favela, é apresentar um novo mundo no qual eles também podem fazer parte se eles quiserem.” 


O projeto Unilever Sons do Brasil é promovido pelo Ministério do Turismo e Secretaria Especial da Cultura, junto à Unilever Brasil. Após dois anos da última edição devido a pandemia de covid-19, o evento retorna com três apresentações gratuitas em três cidades do Brasil. Além dos dias 13 e 27 de novembro, a Orquestra Sinfônica Heliópolis se apresenta ao lado de Elba Ramalho e Lenine no dia 11 de dezembro, às 17h, em Pernambuco, no centro histórico de Igarassu.

curvazul_edited.jpg

Orquestra Juvenil Heliópolis
no Grande Prêmio de Fórmula 1

No dia 13 de novembro, o Instituto Baccarelli teve o prazer de participar do Grande Prêmio de Fórmula 1 do Brasil. A convite da organização, nossa querida Orquestra Juvenil Heliópolis esteve no autódromo de Interlagos, sob regência do maestro Paulo Galvão e ao lado da cantora Iza para interpretar o hino nacional.

27.png

Antes de iniciar a corrida, o grupo se posicionou na faixa de largada para fazer a interpretação do hino. Além dos pilotos participantes da corrida presentes no momento, estavam importantes figuras públicas, como Ricardo Nunes, o atual prefeito da cidade de São Paulo. Esse ano, o evento completou 50 anos de atividades no Brasil, sendo marcada com eventos em diversos pontos da capital, como a exposição do Grande Prêmio no Parque Ibirapuera.

Agradecemos à Fórmula 1 por fazer parte do maior evento de automobilismo do mundo ― não é todo dia que se tem a oportunidade de tocar em um dos grandes palcos do esporte.

5_2.png
5_1.png
Âncora 4
Jovens do Instituto Baccarelli se reúnem em projeto que visa propor melhorias para Heliópolis

No primeiro domingo de novembro, dia 6, o Instituto Baccarelli participou de um evento importantíssimo. Foi o encerramento do projeto Heróis em Ação, realizado em parceria com a Unas Heliópolis, Evoluir Educação e a Unilever Brasil, patrocinadora Master da instituição. A ocasião reuniu 29 adolescentes atendidos pelo Instituto Baccarelli para refletir sobre Heliópolis e propor melhorias para a comunidade. Nosso Coral Heliópolis marcou presença no evento, que lançou uma exposição especial do Heróis em Ação, em cartaz no CCA Heliópolis — vale a pena a visita!
 
E, além do Coral Heliópolis, teve mais música. Nossos alunos e alunas prepararam uma apresentação fora do script — um trio de cordas fez um concerto surpresa para o público presente!
 
Confira abaixo as fotos e veja como foi esse evento que encheu o Instituto Baccarelli de orgulho! Parabéns aos nossos alunos e alunas, e nosso muito obrigado à Unas e à Unilever pela parceria!

curva_laranja.png
curva_laranja.png
Âncora 6
Projeto empodera mulheres de Heliópolis por meio da fotografia
Forma_yellow_right.png

No comecinho do mês, sábado, dia 5 de novembro, aconteceu a formatura do Mulheres em Foco, uma oficina realizada aqui em Heliópolis com objetivo de ensinar técnicas de fotografia para moradoras da comunidade. Com realização da Numen Produtora e patrocínio da Chevrolet, o evento aconteceu no CEU Heliópolis teve ainda participação do Instituto Baccarelli, que recebeu parte das atividades e ainda esteve presente no evento de formatura, no CEU Heliópolis, com nosso Quarteto de Cordas formado por alunas da Orquestra Juvenil Heliópolis.

 

Com uma exposição do trabalho feito pelas mulheres ao longo da oficina, a formatura foi um momento de celebração da força das mulheres, muitas delas nossas alunas e mães de alunos. O Instituto Baccarelli agradece a oportunidade de poder fazer parte de uma iniciativa tão importante, e comemora a Numen Produtora e a oficina Mulheres em Foco pelo belo trabalho!

7.png
Forma_yellow_right_edited.png

Um evento-teste agitou o restaurante do Instituto Baccarelli no dia 8 de novembro, e o resultado não poderia ser melhor. Em parceria com a Unilever, patrocinadora Master do Instituto, e com a Unilever Food Solutions, o almoço contou com a participação de mais de 30 voluntários da empresa – todos coordenados pelo chefe Michael Yamashita –, que ajudaram a servir mais de 200 refeições para nossos alunos, professores e colaboradores. E foi uma refeição completíssima, com estrogonofe (com direito a versão vegetariana), salada de batata, milho na manteiga e até sobremesa! Olha só a carinha da nossa aluninha ― será que estava gostoso? 

roda-verde.png
Com apoio da Unilever, restaurante do Instituto Baccarelli volta à ativa em evento solidário
8_1.png
8_2.png
8_3.png
roda-verde.png

Como vocês sabem, ao longo da pandemia o Instituto Baccarelli percebeu que parte de sua missão passa por um compromisso inegociável com a segurança alimentar das nossas famílias. Foi com isso em mente que realizamos, nos últimos anos, uma permanente campanha de combate à fome.

Agradecemos à Unilever, à Unilever Food Solutions Brasil, e a todos os voluntários por ajudar a transformar esse plano em realidade. O evento de novembro foi só o primeiro passo ― fiquem ligados que em breve teremos mais novidades!

Instituto Baccarelli realiza seminário sobre ética e trabalho profissional

Iniciativa faz parte do projeto Precisamos Conversar Sobre, desenvolvido pelo departamento de Serviço Social

18.png

No início do mês de novembro, dia 7, aconteceu o seminário Ética e Trabalho Profissional, no CEU Meninos, com a professora doutora Maria Lucia Silva Barroco, da PUC-SP. Voltada para profissionais da rede, a iniciativa é um desdobramento do projeto Precisamos Conversar Sobre, desenvolvido desde o início de 2022 pelo departamento de Serviço Social do Instituto Baccarelli.


Antes de começar o evento, os participantes foram recebidos pelo Quarteto Mulheres do Instituto Baccarelli, que tocou canções eruditas, populares e até temas de filme para deixar todos à vontade. O seminário iniciou logo em seguida, abrindo espaço para conversas e discussões importantes para a área, principalmente, da educação.


Docente da pós-graduação em Serviço Social da PUC-SP, a professora doutora Maria Lucia Silva Barroco é coordenadora do Núcleo de Estudos e Pesquisa em Ética e Direitos Humanos (NEPEDH) da universidade, e desenvolve, como pesquisadora, estudos sobre direitos humanos, ética, conservadorismo e irracionalismo.

9_1.png
9.png
roda-verde.png
Instituto Baccarelli sedia encontro de ex-alunos das primeiras turmas de coral

O dia 19 de novembro foi marcado de forma bem especial para o Instituto Baccarelli. Isso porque aconteceu um reencontro super-especial dos ex-alunos e alunas do DER, de São Bernardo do Campo, que formaram uma das nossas primeiras turmas de coral, em 2002.


O evento contou com ex-coralistas e algumas participações especiais: estiveram presentes nossa coordenadora de eventos, Jaqueline Serra, que está conosco há mais de 18 anos, e também a querida dona Valdete — mãe de dois alunos, que vestiu a camisa na época acompanhava como voluntária o coral no trajeto de São Bernardo até o Heliópolis. Mais tarde, ela também se tornou colaboradora da instituição.

Organizado por Silmara Drezza, coordenadora de canto coral e musicalização infantil do Instituto Baccarelli, e que foi professora da turma, o encontro trouxe a oportunidade de rever os velhos amigos e lembrar histórias dos tempos vividos por aqueles presentes – um momento para celebrar pessoas muito importantes que ajudaram a construir o Instituto Baccarelli.

roda-verde.png
10.png
Violada reúne estudantes e professores de viola do Instituto Baccarelli

Um dos eventos tradicionais do Instituto Baccarelli, a Violada acontece desde 2016 e tem como objetivo ser um encontro semestral entre alunos e professores de viola. Neste semestre, o evento aconteceu dia 19 de novembro e trouxe como novidade a apresentação do naipe de violas da nossa Orquestra Juvenil Heliópolis, que vem sendo trabalhado pelo professor Gabriel Marin desde o começo do ano.


“A proposta da Violada é de ser um momento para compartilharmos nossa paixão pela música e por nosso instrumento, a viola, num formato sem a formalidade de um recital”, conta a professora Roberta Marcinkowski, organizadora do evento. A ideia é estimular os alunos a tocarem o que repertório que sentirem vontade, incluindo música popular e em formações variadas, como duos, trios e quartetos”, explica.


O Instituto Baccarelli tem muita honra de poder proporcionar momentos importantes de troca como esse para todos os alunos, alunas, professores e professoras.

Forma_yellow_right_edited.png
Forma_yellow_right.png
11.png
curvazul_edited.jpg

Pequenos da musicalização visitam
o ensaio das Orquestras

Durante o mês de novembro aconteceram uns encontros que são a cara do Instituto Baccarelli: foram as visitas das nossas turminhas de musicalização aos ensaios das orquestras!

Como vocês sabem, o ensino musical desenvolvido pelo Instituto aqui em Heliópolis é completo: vai desde criancinha até a profissionalização. E ao longo desse processo, especialmente no comecinho, nossos alunos e alunas vão descobrindo o mundo da música de forma lúdica, preparando-os para as próximas etapas pedagógicas. Na musicalização infantil, nossas crianças desenvolvem os princípios básicos importantes para a música, como sensibilidade, percepção rítmica e coordenação motora, além da criatividade e sociabilidade. 

E é como parte desse processo que nossas turminhas visitam os ensaios das orquestras! Lá, eles podem ver de pertinho como os instrumentos funcionam em uma das formações mais complexas da música ― são dezenas de instrumentos soando de forma coordenada e harmônica, sob o comando do maestro. Para nossos aluninhos e aluninhas, é um show de percepções! Eles acompanham empolgados cada arcada dos violinos, das violas, dos violoncelos e dos contrabaixo; assistem com espanto a potência dos metais e a sutileza das madeiras; e toda força bruta e sensibilidade da percussão. Isso sem contar os movimentos do maestro, que ditam o ritmo da música e “guiam” a corrente harmônica em diferentes direções. Os pequenos foram muito bem recepcionados pelos integrantes da orquestra, que até deixaram os visitantes experimentarem um pouco os instrumentos!

Confira as fotos e sinta um pouquinho dessa emoção!
 

27.png